PlanAuto Multimarcas

Novidades


Mundo dos Veículos

Ford Ka concept - Carro será o segundo modelo global desenvolvido no Brasil

 O Ka Concept, modelo que antecipa as linhas do futuro sucessor do Ka, foi mostrado oficialmente nesta quarta-feira, 13 de novembro, numa cerimônia organizada pela Ford em Camaçari (Bahia). Ao evento, compareceu William Clay Ford Jr., bisneto de Henry Ford, entre outros executivos do alto escalão da montadora.

Embora seja apresentado como carro-conceito, serão feitas poucas mudanças na versão definitiva, que deve ser lançada no primeiro semestre de 2014. O Ka Concept é ligeiramente maior do que o modelo atual, traz a tão requisitada opção de quatro portas e deve oferecer mais espaço para os passageiros.

Segundo projeto global desenvolvido no Brasil (o primeiro foi o EcoSport), o novo Ka substituirá, de uma vez só, os atuais Ka e Fiesta Rocam. Além do hatch, haverá também um sedã, que aposentará o Fiesta Rocam Sedan. Para isso, a fábrica de Camaçari terá sua capacidade ampliada para 300 mil unidades anuais.

O design do Ka Concept está alinhado com as últimas tendências de estilo da Ford. A frente traz a nova grade trapezoidal e faróis afilados, lembrando bastante o New Fiesta. De lado, o carro tem desenho mais comedido que seu irmão mais requintado, com uma linha de cintura ascendente parecida com a do Chevrolet Onix. Já a traseira tem lanternas que invadem as laterais e desenho mais limpo, especialmente na tampa do porta-malas.

O novo Ka deve ser oferecido em duas motorizações: uma inédita 1.0 de três cilindros (mas não da família EcoBoost) e possivelmente o Sigma 1.5 do New Fiesta, sendo esta segunda opção restrita às versões mais caras.



19/11/2013

Fiat revela Strada três portas

 A Fiat divulgou nesta sexta-feira, 13 de setembro, as primeiras imagens oficiais da nova Strada Cabine Dupla três portas. A principal novidade é a porta traseira do lado do passageiro, que se abre em sentido oposto à convencional, facilitando o acesso ao banco traseiro. Além desta nova opção de carroceria, a Strada também ganhou uma nova traseira, com caçamba mais alta, tampa redesenhada e novas lanternas. O lançamento oficial do modelo está marcado para a segunda quinzena de outubro.





13/09/2013

Fiat lança Palio Fire Economy Série Itália

 A Fiat lançou nesta segunda-feira (16) o Palio Fire Economy Série Itália. De acordo com a montadora, a edição especial agrega visual mais elegante e itens exclusivos de série ao hatch, oferecendo mais requinte e conforto replica watches ukO emblema da Série Itália está presente tanto externamente, na carroceria, quanto internamente, nos bancos dianteiros. Além disso, a versão traz faróis escurecidos com anel cromado, faróis de neblina, minissaias laterais, retrovisores na cor do veículo, pneus e rodas exclusivas de 14 polegadas, ar-condicionado, direção hidráulica, vidros dianteiros elétricos, entre outros itens. A rede de concessionárias da Fiat no Brasil já está comercializando o Palio Fire rolex replica watches Economy Série Itália.







18/09/2013

Toyota Corolla 2014

 No mês passado, o mundo conheceu a 11ª geração do rolex replica watches carro mais vendido do mundo (com 40 milhões de exemplares desde 1966), o Toyota Corolla. Quem viu as fotos oficiais não teve dúvida de que ele ficou mais moderno e atraente, mas a pergunta que ficou no ar era se ele é tudo isso quando sai do estúdio e vai para as ruas da vida real. Nós fomos ao lançamento mundial em Palma de Mallorca, na Espanha, para tirar essa dúvida. E já nesse primeiro test-drive podemos afirmar: sim, ele é uma considerável evolução - apesar de não ser a revolução que foi o Honda Civic na sua mudança da sétima para a oitava geração, em 2006.

Ao vivo, é difícil imaginar que estamos perto de um Corolla. A carroceria evoluiu visivelmente em modernidade e sofisticação: o modelo europeu antecipa o visual do sedã que será vendido no Brasil (o Corolla americano destina-se a um cliente mais jovem e tem visual claramente menos refinado e mais agressivo). O novo Corolla chama atenção pelos faróis com quatro leds integrados à grade cromada, pelas lanternas prolongadas, unidas por uma faixa cromada na tampa do porta-malas, e pelos vincos laterais que reforçam a sensação de movimento mesmo quando está parado. Comparado ao antecessor, ele cresceu mais no comprimento (8 cm) e um pouco em largura (1,5 cm), mas ficou ligeiramente mais baixo (0,5 cm), uma nova tendência na indústria para melhorar a aerodinâmica e a estabilidade.

O acréscimo nas medidas se refletiu no interior. Na cabine, é notável a sensação de amplidão, principalmente na traseira e no espaço para joelhos, resultado do entre-eixos ampliado em 10 cm. Há altura suficiente para passageiros com 1,80 metro e largura de bom nível. O terceiro passageiro conta ainda com o conforto do assoalho totalmente plano.

Ao tentar rebater o banco traseiro, percebemos que isso é feito com facilidade, na proporção 1/3-2/3, mas não dá para criar um vão de carga totalmente plano. O porta-malas é praticamente o mesmo (pelo método europeu, ele subiu de 450 para 452 litros, o que é equivalente aos 470 do padrão adotado pela Toyota no Brasil), mas apresenta formas irregulares, portanto, menos aproveitáveis. 

O painel é composto por materiais macios no revestimento superior e também na parte central que, em combinação com o acabamento "piano black" (na moldura do monitor colorido central e nos comandos do sistema de infotenimento), resultam numa qualidade nitidamente superior à do modelo anterior, que na maior parte do painel usava plástico de toque duro. As bolsas nas portas e os suportes para garrafas/latas são maiores - agora leva-se uma garrafa de água de 1,5 litro nas portas dianteiras.

Na versão avaliada, os bancos, com bom apoio lateral, combinavam tecido na parte central com couro nos lados, criando um bom resultado visual. O banco do motorista é regulável em altura e a coluna de direção permite também o ajuste em altura e profundidade. Os instrumentos ganharam novo padrão cromático em fundo negro e grafismo branco (bem melhor que o ultrapassado laranja, que marcas menos sofisticadas continuam usando), com leve iluminação circular azul. Ao centro dos dois mostradores principais (conta-giros à esquerda e velocímetro à direita) está o visor digital com computador de bordo, navegador e som, ao estilo do que há nos carros da VW. Pena que o computador de bordo seja operado por um botão localizado no conjunto de instrumentos e não por comandos no volante multifuncional ou em alavancas na coluna de direção.

Logo nos primeiros quilômetros ao volante, o que chama atenção é a melhoria no isolamento acústico: ele está ainda mais silencioso. Porém aqui o ocupante acaba sendo um pouco prejudicado pelo som da transmissão CVT (continuamente variável) com sete marchas pré-programadas que equipava o carro que dirigimos. Apesar dos esforços dos engenheiros japoneses, ela continua a dar aquela sensação de estar sempre patinando em seco, uma vez que o ruído do motor nunca é diretamente proporcional a seu rendimento nem à velocidade do carro. Mas este é o único câmbio que trabalha com o motor 1.8 a gasolina de 140 cv vendido na Europa, substituindo o automático de quatro marchas da geração anterior. No Brasil, os motores 1.8 e 2.0 flex atuais vão continuar na linha, hoje com 144 e 153 cv no etanol, respectivamente. O que ainda não se sabe é se eles farão par com o câmbio automático tradicional ou se adotarão o CVT que está no modelo europeu.

Em movimento, nota-se que falta um pouco de alma ao motor europeu abaixo das 2500 rpm. No entanto, acima das 3000 rpm ele mostra o vigor que se espera de um 1.8 com comando variável de válvulas. Mas aí já entramos em regimes de giro menos favoráveis ao baixo consumo anunciado (média no ciclo europeu de 15,6 km/l). Essa transmissão permite três modos de funcionamento: totalmente automático, um modo esportivo automático que eleva um pouco mais a rotação e ainda um modo de troca de marchas manual, que nesta versão é feita apenas na alavanca. O fato é que o Corolla 1.8 VVT-i Multidrive S nunca será um sedã para quem aprecia a esportividade - leva 10,2 segundos para chegar a 100 km/h e atinge a máxima de 195 km/h.

Mais positivos foram os resultados conseguidos com o aperfeiçoamento da plataforma, que aliás é a mesma da geração anterior. Apenas foi retrabalhada e teve o entre-eixos alongado, com redução da altura e aumento da largura da carroceria. Na prática, o novo Corolla mostra-se claramente mais estável em curvas do que antes (e ele já era bom nisso!) e filtra melhor as irregularidades do asfalto, fruto de novos ajustes que privilegiam o conforto. Como afirma Hideyuki Iwata, engenheiro-chefe do projeto, ao dispor de um chassi mais rígido, foi possível suavizar a calibragem de molas e amortecedores sem que isso resultasse num comportamento mais instável nas curvas ou frenagens fortes. Para ajudar nessa sensação de comportamento melhorado, a direção é mais direta (2,67 voltas, quando a anterior dava cerca de 3) e tem assistência elétrica que não se mostra artificial, num conjunto que permite perceber relativamente bem a fidelidade do que se passa sob as rodas dianteiras. Esse foi o aspecto em que a dinâmica mais evoluiu no novo Corolla, apesar de ele ter mantido o eixo de torção na traseira, o que transmite mais irregularidades especialmente aos passageiros de trás, quando comparado a um sistema multilink, como o do Civic. O curioso é que o Toyota Auris, o hatch que compartilha esta plataforma e quase todo swiss replica watches o interior, já possui suspensão traseira multilink.

Ao fim do nosso test-drive, fica evidente o quanto a nova geração evoluiu além do visual. Sem dúvida o design é agora um de seus pontos altos, mas não dá para deixar de perceber a ampliação do espaço interno, a evolução da qualidade de materiais e como o sedã está mais gostoso de dirigir, com melhor resposta da direção e estabilidade superior sem penalizar o conforto. O próximo passo é conferir como a versão brasileira vai se comportar depois de receber os motores flex e for devidamente tropicalizada para rodar no país, o que vai acontecer entre janeiro e abril de 2014. Nos vemos em breve, Corolla!



30/08/2013

Ford apresenta novo Focus Sedan em São Paulo

 A Ford apresentou nesta quarta-feira, dia 28 de agosto, o novo Focus Sedan. O carro vem equipado com motor Duratec 2.0 Direct Flex, o primeiro flex com injeção direta de combustível, com alta taxa de compressão, quatro cilindros em linha, 16 válvulas e bloco, cabeçote e cárter em alumínio. Com esta configuração, o novo Ford Focus desenvolve até 178 cv com etanol a 6.000 rpm e 22,4 mkgf a 4.500 rpm. O veículo conta ainda com comando duplo variável de admissão e escape com controles independentes. O motor é validado para mais de 240 mil quilômetros. O evento do lançamento do novo Ford Focus é aberto ao público entre os dias 29 de agosto e 1º de setembro, na Bienal do Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Todos os exemplares expostos no local são da versão topo-de-linha, batizada de Titanium. Completos, contam com seis airbags, controles de estabilidade e de tração e transmissão automática de dupla embreagem, entre outros equipamentos.







30/08/2013

Volkswagen Golf VII

 Lançada na Europa no final de 2012, durante o Salão de Paris, a sétima geração do Volkswagen Golf era muito aguardada no Brasil. Pois bem, a espera terminou: a montadora alemã confirmou os detalhes da chegada do hatch ao mercado nacional, em duas versões.

A mais barata será a Highline. Equipada com o motor 1.4 TSI, entrega 140 cv a 4.500 rpm e torque máximo de 25,5 mkgf, disponíveis já a 1.500 rpm. Será oferecido com câmbio manual de seis marchas ou automático omega replica com dupla embreagem (DSG) de sete marchas. 

Entre os itens de série, o Golf Highline terá ar-condicionado digital bizona, freios ABS com distribuição de frenagem (EBD), sistema start-stop, controles de estabilidade (ESP) e de tração (ASR), Cruise Control adaptativo (ACC), Dynamic Light Assist (DLA) - sistema que analisa o tráfego à frente e atrás por meio de uma câmera no para-brisa, rádio CD Player com tela de 5,8 polegadas sensível ao toque (opcional de 8 polegadas) e sete airbags (dois frontais, dois laterais dianteiros, dois do tipo cortina e um de joelho para o motorista). As rodas de liga leve de 16 polegadas são calçadas com pneus de medida 205/55. Quanto aos números de desempenho, a VW declara aceleração de 0 a 100 km/h em 8,4 segundos e velocidade máxima de 212 km/h.

Já a badalada versão esportiva GTI, tida pela VW como a mais potente da história do Golf, tem um motor 2.0 TSI, equipado com turbocompressor. Oficialmente, a potência oferecida pelo bloco é de 220 cv, entre 4.500 rpm e 6.200 rpm, e torque máximo de 35,7 mkgf, entre 1.500 rpm e 4.600 rpm. 

Além de todos os equipamentos da versão anterior, ele traz algumas exclusividades típicas de uma versão esportiva, incluindo bancos do tipo concha com a já famosa estampa xadrez, volante esportivo com base achatada, revestimento interno com costuras vermelhas, pedaleiras de aço escovado, grade frontal com filete vermelho e para-choques esportivos. As rodas de liga leve têm 17 polegadas e pneus 225/45. Segundo a fabricante, são necessários 6,5 segundos para o carro ir de 0 a 100 km/h e sua velocidade máxima é de 244 km/h.

Quem estiver interessado em comprar o novo Golf poderá se cadastrar no site oficial, sendo que a montadora promete contatar o futuro proprietário futuramente. Em um primeiro momento, a sétima geração do Golf será importada da Alemanha, mas o carro deverá ser fabricado no Brasil nos próximos anos foreverwatches.uk.



27/08/2013

Audi retomará produção no Brasil, diz agência

 A Audi voltará a produzir carros no Brasil. De acordo com notícia publicada neste sábado (24) pela Agência Estado, a marca alemã já teria levado um protocolo ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria replica omega e Comércio Exterior em que confirmaria a montagem de veículos na fábrica da Volkswagen em São José dos Pinhais, Paraná.

A revelação teria sido feita por Mauro Borges, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), durante um evento realizado na sexta-feira (23) em São Paulo. Num primeiro momento, Audi e VW não confirmaram a informação.
 
Vale lembrar que a Audi já produziu o hatch A3 no Brasil no período de 1999 a 2006 breitlingshop.uk, interrompendo sua montagem devido à baixa demanda na época.



26/08/2013

Nissan inicia pré-venda do novo Sentra

 A Nissan dará início à pré-venda do novo Sentra neste domingo (25). O anúncio foi feito em evento realizado nos Estados Unidos, onde ocorreu a apresentação do carro à mídia especializada brasileira. As encomendas poderão ser feitas diretamente nas concessionárias da marca.

Num primeiro momento, estará disponível para reserva apenas a versão de topo de linha SL 2.0, cujo preço foi definido em R$ 71.990. A efetiva chegada do sedã às concessionárias brasileiras ocorrerá no mês de outubro, quando também poderão ser adquiridas as versões iniciais (preços ainda não foram revelados).



26/08/2013

MERCADO DE SEMI NOVOS SAIBA COMPRAR!

 
 
 
 
Veja 553 opções de carro usado entre R$ 21 e R$ 24 mil
 
Outra vantagem ao comprar um usado é que o consumidor não tem despesa de licenciamento e documentação
Texto: AutoInforme
Fotos: Divulgação
 
(29-04-10) - Chegou a hora de comprar um carro, mas se a opção está em torno de R$ 22 mil, R$ 23 mil, você terá poucas opções, e tudo carro básico.

Mas, antes de desanimar, vale a pena dar uma olhada no que o mercado de usados ferecere por esse preço. Tem muita coisa boa, muitas oportunidades que vale a pena considerar.

Com base na cotação da Molicar, a Agência AutoInforme fez um levantamento e descobriu 533 opções de carros usados entre R$ 21 mil e R$ 24 mil para você escolher. É uma boa dica para quem quer um pouco mais de conforto, não se importando com o cheiro de carro zero quilômetro.

Quem prefere um carro popular, por esse valor pode comprar um seminovo, ano 2009. Na lista tem muitas opções de Celta, Palio, Gol, Sandero e Corsa. Os sedãs pequenos, como Classic, Prisma, Siena e Logan, ano 2008 ou 2009, também estão nessa faixa de preço. A vantagem é que estes carros têm opcionias que o comprador só encontraria num zero com o dobro do dinheiro.

Outra vantagem ao comprar um usado é que o consumidor não tem despesa de licenciamento e documentação: IPVA, lacração e emplacamento.

Na lista, quanto mais velho o carro, mais completo ele é. É possível encontrar um Volvo S40, ou um Audi A3, ou um Omega, todos muito bem equipados: ar-condicionado, direção hidráulica, air bag e ABS, ano 2001. Ou um Citroën C5 completo, ano 2002.

Para quem gosta de picape, que tal uma Dakota com ar e direção, 2001, por R$ 22 mil, ou uma Strada 1.4, cabine estendida 2006, uma Montana 1.4 ano 2007 ou uma Saveiro 1.6, modelo 2007? Pra quem tem família grande há boas opções, como uma Parati G3, 2004, uma perua Peugeot 206 ano 2006, a perua Marea Weekend 2005 e o Palio Weekend Adventure 2004 (com direção hidráulica). Os aventureiros encontram na lista opções como o Suzuki Ignis e o Ecosport.

Quem prefere um sedã médio pode comprar com este dinheiro um Civic automático completo ano 2002, um Corolla topo de linha 2002, o Vectra 2002, o Astra e o Megane 2004, alguns com bons equipamentos: ar-condicionado e direção hidráulica são praticamente de série em carros dessa categoria.

Se a opção for por uma minivan, o comprador poderá levar uma Renault Scenic 2004 ou uma Citroën Picasso do mesmo ano, ambos completos. Com o mesmo valor dá pra comprar uma Zafira (também completa) modelo 2001.

No nosso levantamento detectamos uma opção a diesel, um Hyundai H-100 ano 2001. Ao todo são 353 carros a gasolina e 199 flex. Entre eles, 28 equipados com câmbio automático.

Veja o que dá para comprar entre R$ 21 mil e R$ 24 mil. Faça a sua escolha.

Twitter

30/04/2010

VW Polo x VW Fox. Veja qual você para casa!

Volks por Volks deu Polo (Fotos: André Lessa/ AE)

 

Eles são da mesma marca, têm motor e câmbio idênticos, mas vivem momentos  bem distintos no mercado nacional.  O Fox 2010 chegou às concessionárias em novembro como o primeiro carro da Volks vendido no País com a nova  identidade mundial da marca.  Já o Polo não esconde o peso do tempo - o hatch  não muda desde o final de 2006, quando foi reestilizado.

Num embate entre modelos com mecânica e preços parecidos, o Polo - mesmo com  a idade - mostra-se melhor negócio que o Fox por ser mais bem acabado, confortável e equipado.  Mas é preciso lembrar que o Polo vai mudar em breve e ganhará dianteira semelhante à do Fox.  E para quem faz questão de ter um carro atual, o banho de loja do Fox pode fazer toda a diferença.

comp2-00

A versão Prime 1.6 I-Motion, de topo no Fox, parte de R$ 40.300.  O Polo 1.6  de entrada, também com câmbio automatizado, começa em R$ 43.173 e vem mais recheado que o “irmão”.  Ao equiparar os dois, o Polo passa para R$ 43.555 e o Fox (sem o computador de bordo, que é de série no Polo) custa R$ 45.053.  

VW Polo

VW Polo

VW Fox

VW Fox

Os dois  têm motor de 103 cv.  No comprimento, o Polo é 9 centímetros maior, enquanto o Fox é 4 cm mais alto.  Mesmo com tantas semelhanças, esses hatches têm comportamento muito diferente.  O Polo é mais estável e sua carroceria inclina menos em curvas, transmitindo maior sensação de segurança.  Já o Fox tem como trunfo a ergonomia, desde a posição de dirigir mais alta aos inúmeros porta-objetos e ao banco traseiro deslizante. 

Interior VW Polo

Interior VW Polo

Interior VW Fox

Interior VW Fox

As respostas do câmbio são equivalentes.  O Fox é um pouco mais arisco em arrancadas, enquanto o Polo vai melhor nas retomadas.  Mas isso é quase imperceptível.  O que fica evidente é o melhor isolamento acústico do Polo. Aos 120 km/h, ambos marcam pouco mais de 3.000 rpm, mas só o dono de um Fox  irá perceber isso.

Detalhes painel do Polo

Detalhes painel do Polo

Detalhes painel do Fox

Detalhes painel do Fox

O Polo 1.6 sempre vendeu mais que o Fox com o mesmo motor.  De janeiro a  outubro do ano passado foram emplacadas 11.875 unidades do Polo com propulsor de 1,6 litro (com câmbio manual e automatizado), ante 9.871 das versões de quatro portas do Fox 1.6.  Em setembro chegou a atual geração do Fox e tudo mudou.  Desde então até o final de fevereiro foram 7.900 emplacamentos para o Fox 1.6 (os dois tipos de transmissão).  No mesmo período o Polo 1.6 somou 4.300 vendas. 

Porta-malas Polo

Porta-malas Polo

Porta-malas Fox

Porta-malas Fox

Essa canibalização comprova que a imagem de um produto pode ser mais importante que o conteúdo de série.  Isso porque, mesmo na versão Prime (topo da linha), itens simples, como banco traseiro bipartido e cinzeiro, têm de ser adquiridos separadamente. 

Por falar nisso, a lista de opcionais é vasta para ambos, mas a do Polo oferece mais equipamentos de tecnologia, como o controlador de velocidade de cruzeiro e o ar-condicionado digital, que não estão disponíveis no Fox, cujos itens são mais “individualizados”.  Isto é, dá para comprar rodas de liga leve de 15″ por R$ 440 ou colocar teto solar por R$ 2.054, por exemplo. 

No Polo esses extras são oferecidos apenas em pacotes.  No caso das rodas, o kit mais em conta sai por R$ 1.694 e o do teto solar custa R$ 3.847 (que inclui, entre outros, as tais rodas de liga).

Outro diferencial do Fox é o painel de instrumentos, que tem melhor leitura que o do Polo, apesar de a iluminação de ambos ser igual (em tons de azul e vermelho).  O Polo se destaca por ter preços de seguro ligeiramente mais baixos.

O maior defeito do Polo é seu porta-malas, de apenas 250 litros.  São 10 litros a menos que o do Fox.  Parece pouco, mas essa diferença faz do bagageiro do Polo o menor de toda linha Volkswagen vendida no Brasil.

Escolheu? Então entre em contato envie um e-mail: thiago.passos@planautomultimarcas.com.br ou 11 4828.2080

15/04/2010

(11) 4828-2080

Av. Capitão José Galo, 892

Planalto Bela Vista

Ribeirão Pires - SP

VEJA COMO CHEGAR +

(11) 4820-2669

Av. Dom Pedro I, 780

Centro

Rio Grande da Serra - SP

VEJA COMO CHEGAR +